Uma medida que o Governo Bolsonaro poderia tomar o mais rápido possível seria encerrar o programa de reforma agrária, que já dura 30 anos e se mostrou totalmente improdutivo e contraproducente, além de ser um enorme foco de corrupção.

Em 2016, o TCU determinou a paralisação imediata do programa do Incra em todo o país. A medida cautelar emitida pelo tribunal decorreu de uma auditoria que identificou mais de 578 mil beneficiários irregulares do programa do governo federal. Foram identificados dezenas de problemas de extrema gravidade pela corte de contas, entre eles a relação de 1.017 políticos que, criminosamente, receberam lotes do programa.

A auditoria revelou ainda centenas de casos bizarros, como a concessão de lotes para pessoas de alto poder aquisitivo, donas de veículos de luxo como Porsche, Land Rover ou Volvo. Havia também 37 mil pessoas falecidas cadastradas como beneficiárias do programa.

As irregularidades atingem praticamente 30% de toda a base de beneficiários do programa, que é da ordem de 1,5 milhão de famílias. Milhares deles exerciam diversos cargos públicos, o que é proibido por lei. Foram encontrados ainda 61 mil empresários beneficiados pelo Incra. Outros 213 processos aprovados beneficiaram estrangeiros.



Texto original Campos Curitibanos