“No poder de um povo, está o seu argumento.”

Certa vez li esta frase em um gibi. Parece estranho, mas essa frase foi disseminada em um gibi. Uma frase que revela uma linha de pensamento muito profunda e complexa sobre a sociedade vivida hoje.
Quando paramos para analisar o contexto podemos fazer a primeira pergunta: – Qual é o poder de um povo?
Embora muitos tenham as mais variadas opiniões sobre qual seja está poder. Gostaria eu de criar uma linha pensante a este respeito. Vamos lá?
Qual é a prospecção, o alcance, a relevância que algo teria na história se difundida de forma correta?
Elocubrando um pouco podemos afirmar que a história dos mortos mexicana está correta. Lembro que o assunto não é ritos religiosos. A história mexicana, muito bem ilustrada nos desenhos animados, diz que, quanto mais mencionado ou contado sobre um personagem ou uma história, mais e mais ela se perpetua. Podemos dizer que o poder da repetição faz com que se formam raízes em nossa mente. Soa até científico e de fato é, que a repetição faz com que pequenas nerveduras em nosso cérebro se desenvolvam a ponto de serem permanentes e outras que não são mais repetidas ou lembradas acabam por desaparecerem.
Voltando para a pergunta então podemos afirmar que o poder de um povo não é o simples exercício da democracia. Veja que a democracia é um exercício, é algo praticado, ou seja, é somente uma parte relevante, mas não plena desse poder.
O povo tem uma relevância significativa quando expressa sua vontade. Seja democrática ou individual. Se chama voz. Apesar de eu por meus princípios discordar de tal afirmativa, diz-se que, “a voz do povo é a voz de Deus”. Se diz isso porque a voz de um povo é o antecessor à democracia. Ao expressar buscamos, mesmo que, inconscientemente, aliados à nossa causa, e isso ao formar uma massa se forma a democracia. Podemos dizer então que a voz de um povo é de onde emana este poder de um povo?
Creio que não. Acredito que este pode ser um canal usado de transmissão deste poder. Mas então o que é o poder?
O poder de um povo não emana de fora como é o caso da democracia, que é um exercício. Também não emana de uma voz, que é apenas um canal. O poder um povo emana de dentro, emana de uma forma convicção de que algo está errado e deve ser mudado. O poder de um povo está na sua esperança por algo melhor, no seu anseio por conquistar seus objetivos, na revolta pelo mal sofrido, na indignação de saber que, fomos e somos traídos por aqueles que, escolhidos por nós, no exercício da democracia, que foram aclamados pelo canal de expansão que possuímos, a voz. O poder que emana de um povo e que podemos dizer que é nosso combustível, nosso poder, se chama ” altruísmo”. Isso, altruísmo.
Altruísmo em conseguir ver que mesmo na pior das situações sempre haverá uma solução. Altruísmo em buscar alternativas para seguir em frente, em não se dar por vencido, em lutar até o fim, mesmo sem saber se haverá um fim. Ao lado do altruísmo temos algo que faz revolucionar uma situação, “paixão”, a paixão por algo nos leva a sonhar e buscar realizar, defender doa a quem doer, se doar mesmo que por inteiro sem mérito algum. O poder de um povo é ser um altruísta apaixonado. Que por sua vez faz “ecoar”, aos quatro ventos sua paixão, seu ideal, seu objetivo, sua vontade. O Eco é o poder totalitário de um povo. Quando o povo altruísta, incentivado por uma causa, apaixona-se por esta causa, estufa seu peito enchendo-o de ar e ecoa através de sua voz incansavelmente a força de seu ideal. Este povo tem como arma principal a persistência, o poder da repetição, de que, quanto mais se fala de seu ideal, mais este se torna verdade em sua vida e isso faz com que emane para os outros este seu altruísmo apaixonante, fazendo com que o ECO continue a soar.
Este ECO podemos chamar de argumento. Se queremos ser uma nação forte, próspera, crescente e feliz, devemos começar a valorizar nossos ecos. E quem são estes ecos? São vc e eu, são pessoas como nós que, vivem ou viveram apaixonadamente altruístas em relação a uma causa.
Lembremos daqueles que já lutaram e dos que lutam, ecoemos seus nomes, sua causa, seus objetivos somente assim alcançaremos mais adeptos que se unirao à mesma causa e ecoaram cada vez mais até alcançarmos o objetivo tão sonhado. A separação total, a independência sulista.
Somos o Sul, uma união de um povo altruísta e apaixonado por seu Sul e que ecoara aos quatro cantos este grito ao Sul do mundo.

#VIVAOSUL
#SULEMEUPAIS
#SULDEOLHOSABERTOS

S.A.ASSUEIRO